© 2015 por Projeto Living Drama

All rights reserved

Sobre o Projeto de Pesquisa 

Em um mundo cada vez mais globalizado, a língua inglesa vem se firmando como língua de integração, tornando-se essencial para o desenvolvimento profissional e cultural dos indivíduos. Nesse contexto, é imprescindível a compreensão do processo de ensino e aprendizagem desse idioma, com vistas ao aprimoramento de práticas pedagógicas eficientes, que levem, de fato, ao desenvolvimento atitudinal, linguístico e interacional do aluno.

Como professora de língua inglesa, tenho observado que uma das principais dificuldades enfrentadas pelos estudantes na aprendizagem do idioma é o fato de que as situações didáticas vivenciadas por eles em sala de aula são muito distantes de suas reais necessidades:

Por várias vezes tanto o que o aluno aprende quanto como ele aprende parecem distantes da sua realidade e, assim, em muitos casos, o processo de ensino e aprendizagem transforma-se em uma experiência de exclusão do aluno do contexto, das atividades e, conseqüentemente, da própria aprendizagem (DUARTE; CYSNE; SOARES, 2008). Desse cenário emerge um aluno desmotivado, desinteressado, com medo de falar inglês e que, por conta disso, apresenta um desempenho oral  muito abaixo de seu potencial.

Minha experiência docente tem demonstrado que o relacionamento interpessoal e, em especial, o papel do professor-facilitador podem ser apontados como fatores relevantes na tentativa de otimização do desempenho do aluno. No entanto, em alguns casos, o professor – provedor das condições facilitadoras da aprendizagem significativa – nem sempre é capaz de garantir um bom desempenho discente. Assim, uma reflexão sobre as relações existentes entre as propostas didáticas desenvolvidas em sala de aula, principalmente no que se refere às suas funções pedagógicas, e a formação de um aluno mais responsável por sua própria aprendizagem, capaz de superar as ameaças e crescer como indivíduo, faz-se necessária.

 Este projeto insere-se na concepção de ensino e aprendizagem que considera o aluno o centro do processo educacional, capaz de (re)aprender a escolher e a buscar caminhos para realizar suas potencialidades, de acordo com a direção também escolhida por ele; de responsabilizar-se pelas consequências de suas escolhas, pelo seu sucesso ou fracasso na aprendizagem. No processo de (re)apropriação e (re)conhecimento de valores pessoais, ele obrigatoriamente deve relacionar ação com reflexão, sentimento com pensamento, teoria com prática, escola com vida, por meio da experiência, reflexão e consequente transformação, na busca do aprender a aprender em um processo sem fim (DUARTE, 1996).

Nessa perspectiva, o teatro surge como possibilidade para o ensino de língua inglesa e é considerado neste projeto um dos principais recursos facilitadores da aprendizagem em sala de aula, uma vez que, por meio de atividades teatrais e pequenas encenações, os alunos têm oportunidade de vivenciar e experienciar a língua em situações de necessidade real, além de desenvolver a criatividade, a responsabilidade e a interação. Dessa forma, ele pode internalizar os conteúdos praticados e também aprimorar as práticas sociais , trabalhando, em conjunto, a razão e a emoção.

As atividades teatrais podem promover um “sentimento de pertencimento”, integrando no processo educacional os alunos que chegam à sala de aula com dificuldades para aprender uma língua. Nessas atividades, não é o seu talento que estará em foco, mas a sua capacidade de experienciar. Ao elaborar um sistema de procedimentos de oficina de jogos teatrais para adultos e crianças, SPOLIN (1963, p. 3) pondera: “devemos reconsiderar o que significa ‘talento’. É muito possível que o que é chamado comportamento talentoso seja simplesmente uma maior capacidade individual para experienciar”.

Nesta mesma perspectiva, CHACRA (1991) afirma:

“O jogo dramático é anterior à sala de aula [...] é de natureza da criança brincar de faz-de-conta. Ela joga simbólica e dramaticamente por pouca necessidade interior ou por simples prazer. De modo espontâneo e sem aprendizagem, todos nós já representamos um dia. Ser ator não é desempenhar uma atividade inventada por alguém – representar dramaticamente é a essência do comportamento humano.” (p. 83)

 

Assim, torna-se importante analisar de que maneira o teatro, como arte dramática, pode contribuir para a (re)apropriação e para o (re)conhecimento de valores pessoais no processo de aprender, já que pode propiciar a otimização da competência em língua inglesa, auxiliando os estudantes a quebrarem barreiras emocionais que interferem no processo de aprendizagem.

Em síntese, a análise de propostas didáticas baseadas em atividades teatrais, especialmente de suas funções pedagógicas no processo educacional, pode contribuir para o aperfeiçoamento de metodologias eficientes de ensino e aprendizagem de língua inglesa e, consequentemente, para o aprimoramento da formação do professor de inglês.

Estudiosos do processo de ensino-aprendizagem de Línguas, dentre eles GUIDA (1996), defendem que teatro em sala de aula de Língua Inglesa favorece o desenvolvimento da imaginação e da emoção, fortalece a habilidade de improvisação e trata de assuntos que emergem do dia-a-dia. HEATHFIELD (2009) também aponta os benefícios do uso de Drama Activities in the classroom for confidence and fluency. Para o autor, tais atividades geram muita energia, divertimento e alegria, assim como integram a mente, o corpo, as emoções a caminho da aprendizagem da língua e das habilidades de relações interpessoais (p. 6)

Assim, este projeto de pesquisa contempla uma proposta de ensino interdisciplinar que perpassa as áreas de Psicologia da Educação, Ensino de Língua Estrangeira e Teatro. No campo da Psicologia da Educação, enfocamos a Abordagem Centrada na Pessoa e a Aprendizagem Significativa[1] (ROGERS, 1985), especialmente o conceito de Aprendizagem Significativa e as Atitudes Facilitadoras do Professor.  No campo do Teatro e Educação, norteamo-nos pelos estudos sobre Construção do Personagem (STANISLAVISKI, 1996) e autores anteriormente citados; e no campo do Ensino de Inglês como Língua Estrangeira, levamos em consideração a Abordagem Comunicativa/Humanista, na qual o componente afetivo tem papel de destaque.

ARNOLD e BROWN (2005) discutem o conceito de afeto no aprendizado de Línguas e enfatizam a importância de uma compreensão ampla do Componente Afetivo no processo de ensino e aprendizagem de Línguas em que o ensino parece ir além do objetivo da aprendizagem da língua, e a sala de aula torna-se um espaço de educação, de afeto e de ética.

STEVICK (2005), em Affect in learning and memory: from alchemy to chemistry, defende a atenção especial às emoções no processo de ensino - aprendizagem, considerando as necessidades dos alunos. Nas palavras do próprio autor, “the inclusion of emotion along with needs and purposes is not surprising when we consider that emotions are commonly responses to how one’s various needs and purposes are or are not being met” (p. 44).

 

O presente projeto decorre de três outros projetos de pesquisa:

1. Living Drama in the Classroom: uma proposta de abertura à aprendizagem significativa, iniciado em 1998 e concluído em 2003,

2. Living Drama, Abordagem Centrada na Pessoa (ACP): um diálogo possível, iniciado em 2004 e concluído em 2008 e

3. Living Drama: atividades teatrais e sua função pedagógica, desenvolvido no período e 2009 até o presente momento (2014).

Em seu desenvolvimento, os projetos passaram por diversas etapas de implantação, nas quais foram abordados diferentes aspectos da aplicação de atividades teatrais em situação de sala de aula.

Contando com o intenso trabalho de alunos dos cursos de graduação em Letras: Língua Inglesa, Psicologia e alunos do curso de especialização em Práticas Reflexivas no Ensino-Aprendizagem do Inglês na Escola Pública analisamos a inserção de atividades teatrais em diferentes contextos de ensino e aprendizagem de língua inglesa, a saber:

  • Nos cursos de Letras: Inglês da PUC/SP;

  • No extinto curso de Inglês para Graduandos, oferecido a alunos graduandos da PUC/SP;

  • No curso de extensão em língua inglesa Living Drama – O Inglês em Cena, aberto à comunidade em geral e oferecido pela COGEAE-PUC/SP;

  • Em aulas de inglês ministradas sob minha coordenação em escolas municipais de ensino fundamental e médio, a saber: Escola Estadual Prof. Francisco Casabona, Escola Estadual Prof. Fidelino Figueiredo,  Escola Estadual Caetano de Campos e atualmente na Escola Municipal de Ensino Fundamental Presidente João Pinheiro[2].

A pergunta que norteou os vários trabalhos de pesquisa gerados desde o inicio da implementação da proposta é: em que medida atividades teatrais contribuem para a aquisição da língua inglesa, assim como para o desenvolvimento atitudinal do aluno, priorizando o respeito, a responsabilidade, o exercício da cidadania e o compromisso com a própria aprendizagem? Parte dos resultados dessas pesquisas encontra-se em DUARTE (2001), DUARTE (2003), DUARTE e TITO (2010) e DUARTE (2013) bem como em diversos relatórios de pesquisa dos alunos de Iniciação Científica da PUC/SP.

Partindo dos resultados já obtidos, nosso objetivo como grupo de pesquisa é expandir e propor um aprofundamento das reflexões teóricas já feitas e ainda debruçando-se nos possíveis desdobramentos e nas implicações decorrentes das propostas didáticas de aplicação de atividades teatrais em salas de aula de língua inglesa, nosso  foco consiste também na análise das propostas didáticas que visam a facilitar o desenvolvimento atitudinal, linguístico e interacional do aluno em aulas de língua inglesa.

Apresentaremos a seguir, no item 4, as produções decorrentes dos dois projetos acima citados, a partir de resultados referentes às:

  • Produções bibliográficas,

  • Apresentações de trabalhos em eventos científicos e culturais e

Ações diversas que demonstram desdobramentos relevantes do projeto ao mesmo tempo em que dão consistência a ele.

 

 

 

[1]     O conceito de aprendizagem significativa é discutido amplamente no projeto.

 

[2]     A proposta desenvolvida nas escolas estaduais mencionadas foi gerada, à principio no módulo Resgatando o aprender e compartilhando o ensinar, no qual atuei como docente. O módulo fazia parte do curso de extensão cultural Reflexão sobre a ação: o professor de inglês aprendendo e ensinado, que, atualmente, transformou-se em um curso de especialização, oferecido pelo Programa de Pós- graduação em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem (LAEL-PUC/SP) e pela Associação Brasileira Cultura Inglesa. Foi idealizado e coordenado pela Profª Dra. Antonieta Alba Celani. Trata-se de um programa intitulado: Formação Contínua do Professor de Inglês:um contexto para reconstrução da Prática. Continuo ministrando módulos no referido curso de Especialização e é a partir desse contexto que tenho a oportunidade de implementar a proposta do Living Drama nas escolas da rede pública.